CoronaVac
Essa vacina contém o vírus “morto” (inativado) da Covid-19 e entrar no organismo, gera uma resposta imunológica. É a forma mais comum de produzir vacinas.

AstraZeneca
Possui um vírus “vivo”, mas não é o coronavírus, é o adenovírus presente em chimpanzés. Apesar de vivo, ele é inofensivo, pois não consegue se multiplicar (replicar). Mesmo assim, o organismo — ao identificar o “corpo vivo” — projeta carga máxima contra o intruso, o que explica o alto índice de reações adversas (como febre, calafrios e dores no corpo) nas pessoas imunizadas por essa vacina.

Janssen
É aplicada em uma dose única e tem uma tecnologia semelhante à da vacina AstraZeneca, que utiliza o adenovírus. Um material genético da proteína “S” do Sars-CoV-2 é colocado no adenovírus, que funciona como um transportador. Quando a pessoa recebe a vacina composta pelo adenovírus, que carrega a informação genética do novo coronavírus, o corpo inicia um processo de defesa e produz anticorpos contra aquele invasor.

Pfizer
Nesta vacina não há a utilização de vírus, mas sim de uma molécula, chamada RNA. Essa molécula leva uma “mensagem” até as células contendo todas as informações genéticas do vírus. Funciona como uma espécie de manual de instruções que ensina as células a criar uma defesa contra o vírus. Por essa função, ela é denominada RNA mensageiro. É a técnica mais moderna de produção de vacina da atualidade.